CRÉDITO / 06.04.18

BNDES começa a oferecer crédito para capital de giro com taxa fixa

VALOR ECONÔMICO

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai passar a oferecer financiamentos com taxa fixa para capital de giro a partir de 24 de abril. No fim de maio o banco também abrirá a possibilidade de as empresas contratarem empréstimos com taxa fixa na Finame, para bens de capital, e estuda ainda estender o mecanismo para outras linhas de financiamento.

A taxa fixa surge como alternativa à Taxa de Longo Prazo (TLP), nova referência para os empréstimos do banco, e valerá para micro, pequenas e médias empresas, com faturamento de até R$ 300 milhões por ano. O financiamento em taxa fixa no BNDES Giro, linha de apoio ao capital de giro, busca atender empresas que não querem ficar expostas a um passivo ligado à inflação.

A TLP tem uma parcela pré-fixada e outra variável, vinculada à inflação (IPCA). O empréstimo em taxa fixa também serve a empresas que querem ter o máximo de controle sobre as despesas financeiras futuras. Nas contas do BNDES, a taxa fixa para o BNDES Giro, em operação com prazo de três a cinco anos, vai custar 9,5% ao ano mais o spread do agente financeiro, que é variável dependendo do risco da transação e do perfil do cliente.

"Essa taxa [9,5% mais spread do agente] é o custo para toda a vida do contrato e o empresário terá confiabilidade que a taxa não vai mudar", disse Marcelo Porteiro, superintendente da área de operações indiretas do BNDES. Assim, uma das vantagens da taxa fixa para as empresas é a "previsibilidade" sobre o custo da operação, disse Porteiro. O BNDES divulgou carta-circular aos bancos repassadores sobre a sistemática e a precificação da operação com taxa fixa. A precificação dessa taxa será divulgada diariamente, disse Porteiro.

Segundo ele, a solução foi bem recebida pelo mercado, inclusive por associações empresariais. "Esse tipo de empresa [micro, pequenas e médias] precisa ter previsibilidade de taxa e de prestações que vai pagar ao longo do tempo do financiamento. Esse é o grande apelo desse produto", disse Porteiro.

Na operação, o BNDES vai oferecer aos seus agentes financeiros um produto em taxa fixa que será repassado ao cliente final com acréscimo de um spread. Porteiro disse que o BNDES está provendo um serviço conhecido pelo mercado como swap. "Pegamos taxa com componente pós-fixado e transformamos em pré-fixado, fazendo um swap de taxas, e permitindo que os bancos captem esses recursos com taxa pré-determinada."

Na avaliação de fontes no mercado, a taxa fixa facilita a decisão do tomador sobre a contratação do empréstimo mesmo que represente um custo um pouco mais caro do que a TLP. Uma fonte estimou que a taxa fixa pode custar entre um e dois pontos percentuais a mais por ano, um custo "razoável" para contratar uma operação pré-fixada. A fonte avaliou ainda que para emprestar em taxa fixa o BNDES não ficará "descasado" entre indexadores de ativos e passivos.

Carlos Vianna, chefe do departamento de relacionamento institucional da área de operações indiretas do BNDES, disse que testes feitos pelo banco para operações com taxa fixa em prazo de três a cinco anos indicam um custo competitivo vis-à-vis a curva pré-fixada do Depósito Interfinanceiro (DI), título privado de renda fixa que serve para captação de recursos pelos bancos.

"No caso de uma operação de três a cinco anos nosso custo de taxa fixa representaria algo como 102% da curva pré do DI. Nos parece uma condição interessante", disse Vianna. Porteiro preferiu não estimar qual pode ser o aumento na demanda do BNDES Giro, a linha de capital de giro do banco, com a adoção da taxa fixa nos financiamentos.

Mas disse que, em março, os pedidos de financiamento nessa linha chegaram a quase R$ 1 bilhão, sendo mais de 85% feitos por micro, pequenas e médias empresas. Em janeiro e fevereiro, a demanda por capital de giro no banco caiu e o BNDES atribuiu a queda a problemas operacionais relacionados a sistemas de informática com os agentes financeiros depois da entrada em vigor da TLP, em 2018.

"Esses problemas operacionais foram superados com os bancos implantando os sistemas, o que nos permitiu recuperar os níveis de demanda", disse Porteiro. Ainda segundo ele, os spreads cobrados por bancos repassadores na linha de capital de giro caíram mais de dois pontos percentuais desde o começo do ano. "Esperamos intensificar isso com o produto de taxa fixa", acrescentou.

Porteiro afirmou ainda que o banco tem estudos preliminares para estender a opção de financiamento com taxa fixa a outras linhas do banco. Ele não deu detalhes, mas uma possibilidade seria oferecer taxa fixa aos Estados na linha de apoio à segurança pública.

Compartilhe

Últimas Notícias